Decolagem autorizada.

Aqui quem vos fala é o comandante desta aeronave: o tempo de voo previsto é indeterminado.


Vai decolar!

O voo promete ser tranquilo, porém há previsão de turbulências: eleições se avizinham...

Eleições sempre provocam turbulências no ambiente! Já recebi algumas mensagens convocando ao voto nulo. Assim, argumentam, serão convocadas novas eleições e os candidatos atuais não poderiam concorrer novamente. Pelas considerações de juristas e autoridades, que tenho visto, não é verdade. Mesmo que todos os cidadãos anulem seus votos, os candidatos votarão em si, sem dúvida. Aí serão sagrados nas urnas candidatos que tiveram votos de si e de parentes e amigos.

Porque, como já observado, o eleitorado tem os cidadãos que votam de acordo com as propostas do candidato e de seu partido; os que votam por simpatia ou amizade; os que votam em troca de favores ou algum tipo de retribuição do candidato; os que votam por pressão de alguém (patrão, família, chefe, pastor ou padre, etc)... Aliás, alguém já viu alguma pesquisa sobre a motivação do voto? Qual percentual de eleitores vota com qual motivação? (Para mim, isto já é motivo para repensarmos a representação democrática que temos, que leva a reformulação da Constituição: não haveria outra forma de construirmos instâncias com a representação dos cidadãos, de forma democrática? Em artigo anterior já abordei o assunto, com opiniões de alguns professores.)

Campanha eleitoral me deixa frustrado. Muito frustrado. Vejo candidatos prometendo temas que fogem de sua alçada - ou por completa ignorância de seu papel, caso eleito, ou para se aproveitar de desinformados, que acreditam! Também tem a postura de candidatos em debates, que não buscam aprofundar mas atingir pontos fracos dos concorrentes! E as promessas são sempre genéricas, nebulosas, sem a solidez que o orçamento público impõe! No caso da Cidade de Vitória, já vi candidato prometer transformar Vitória em capital digital do país, em eleições passadas. Ainda estou aguardando...

Não vejo uma proposta consistente para resolver o problema do atendimento em saúde a médio prazo. Há quase 50 anos (tempo em que sou eleitor) vejo candidatos se revezando em críticas e mais críticas à situação - porém ninguém apresentou um projeto que considerasse o orçamento disponível, o crescimento previsto da população, as necessidades de atendimento previstas e a criação da estrutura necessária para atender a essas necessidades. E pode-se falar assim também de educação, de mobilidade urbana, de desenvolvimento tecnológico e científico...

Mas vamos acompanhar mais estas eleições. É mais uma oportunidade de debater e aprofundar, mesmo para quem não é candidato.

Até a próxima!