DEU EMPATE!

Electra decolando

Depois de muitos debates e muitas discussões, acabou ficando em cinco a cinco o julgamento do recurso "infringente" pelo STF.

"-- Mentira" já gritou um leitor indignado, talvez achando que eu tenha poderes para manipular as votações daquela corte.

Respondo: não, não é mentira, pois a votação ainda não foi encerrada. Falta UM voto, o voto de UM ministro.

E digo com toda a sinceridade: para mim, o voto desse ministro não muda minha opinião. Não por desprezo ou descaso com o ministro, antes pelo contrário: encerrar uma votação de um embargo em relação a uma ação do quilate dessa 470 com um voto de desempate em um placar de cinco a cinco é uma responsabilidade a qual eu não assumiria! Se meus dez colegas estivessem divididos sobre a questão de promover ou não outro julgamento, que se faça outro julgamento! Não dormiria em paz com minha consciência assumindo (ou não) a decisão de impedir novo julgamento, caso fosse essa minha opinião. Trata-se de justiça, da qual aproxima-se muito mais um novo julgamento que simplesmente impedir que os réus sejam julgados! Se o julgamento anterior estiver correto, o veredito será repetido! Não se trata de postergar ou manter imagem da casa: mais importante que imagem da casa é o veredicto justo! De que vale uma corte célere que não aplica corretamente as leis? Se as aplicasse, não teria havido tanta divergência entre a maioria absoluta dos ministros, tenho certeza!

Portanto, para que haja justiça, pelo menos aquela ao alcance do STF, a divisão revelada entre os ministros precisa ser ponderada. O Brasil não quer uma condenação injusta!

Até a próxima!